Sexta-Feira, 28 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Em MS, 80% das academias não têm profissional de educação física

Somente em 2013, a fiscalização do Cref-MS (Conselho Regional de Educação Física) constatou que mais de 80% das academias estavam irregulares, a maior parte delas por deixar o treino sob a supervisão de um profissional não graduado

Mais preocupado com o bolso do que com a saúde, quem faz academia em Campo Grande corre o risco de se expor a instrutores desqualificados para orientar o aluno durante a prática do exercício físico. Somente em 2013, a fiscalização do Cref-MS (Conselho Regional de Educação Física) constatou que mais de 80% das academias estavam irregulares, a maior parte delas por deixar o treino sob a supervisão de um profissional não graduado.


“Muitos são estagiários ou até mesmo um aluno antigo, que por ter prática é convidado a trabalhar como professor”, exemplifica a coordenadora da fiscalização do Cref-MS, Patricia Barbosa Rodrigues.


O número pode ser ainda maior, admite o Conselho, que não chegou a visitar todos os estabelecimentos de Mato Grosso do Sul: dos 371 estúdios e academias fiscalizados, 300 não passaram pelo crivo do Conselho. Hoje, 745 estão registrados - 448 na Capital, que concentra maior fatia do mercado.


Entre as demais irregularidades, estão o funcionamento sem alvará e falta de equipamentos de segurança, como extintores de incêndio, e os flagrantes não estão restritos a pequenos estabelecimentos, mas abrange também grandes academias, inclusive em regiões nobres da Capital, aponta Patricia.


A justificativa está na falta de profissionais qualificados, que não acompanhou o surgimento de novas academias com o aumento da demanda por um estilo de vida saudável. “Há algum tempo que os acadêmicos se formam, mas parecem não ter interesse em seguir a profissão. Passei meses a procura de um professor para trabalhar aqui na academia, até contratar um funcionário”, afirma Salete Rosa, que há 11 anos administra a academia Arena, no bairro Bandeirantes. “Muitos se registram no Cref, mas não chegam a atuar”, reforça Patrícia.

Fonte: Campo Grande News
Data Postagem: 03/02/2014
PUBLICIDADE