Sábado, 29 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

SP, RJ, MG, RS e PR concentravam 65,2% do PIB em 2011, mostra IBGE

SP liderava, com a fatia de 32,6%, mas perdeu participação frente 2010. Na outra ponta, os dez estados com menor participação somaram 5,3%.

Em 2011, cinco estados concentravam a maior parte do PIB, segundo a pesquisa Contas Regionais do Brasil de 2011, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada nesta sexta-feira (22).


O grupo formado por São Paulo (32,6%), Rio de Janeiro (11,2%), Minas Gerais (9,3%), Rio Grande do Sul (6,4%) e Paraná (5,8%) concentrava 65,2% do PIB em 2011. Em 2002, a fatia era maior, de 68%.


Na outra ponta, os dez estados com menor participação somaram 5,3%, enquanto os outros 12 estados passaram de 27,1% para 29,5% no período, o maior crescimento entre os três grupos.


De acordo com o IBGE, foi registrada uma redistribuição da participação entre os quatro estados da região Sudeste, com a fatia de 55,4% do PIB. São Paulo, que segue em primeiro lugar no ranking, perdeu cerca de 0,5 ponto percentual ao passar de 33,1% para 32,6% no período - a menor participação na série iniciada em 2002.


"Isso ocorreu porque a indústria de transformação brasileira atingiu, em 2011, sua menor participação na série (14,6% contra 16,2% em 2010). Com isso, o estado teve perda de representatividade da indústria de transformação de 42,0% para 41,8%. Também houve queda na participação do comércio e da produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana", diz a nota.


Já a parcela do Rio de Janeiro aumentou, passando de 10,8% para 11,2%, e Espírito Santo, de 2,2% para 2,4%. Minas Gerais se manteve com 9,3%.


"O resultado do Rio de Janeiro foi influenciado pela elevação do preço médio do petróleo, conferindo aumento da participação de 35,3% para 39,8% da atividade da indústria extrativa fluminense, o que aumentou o peso na economia do estado de 9,8% para 14,5%", afirma a nota do IBGE.


"O ganho de participação do Espírito Santo de 2,2% em 2010 para 2,4% em 2011 relaciona-se ao aumento de 0,4 ponto percentual do setor industrial do estado, passando de 2,7% em 2010 para 3,1% em 2011".


No caso de Minas Gerais, a indústria extrativa, que tem no minério de ferro seu principal produto, perdeu participação relativa no Brasil devido ao "ganho de representatividade dos estados produtores de petróleo".

Fonte: G1
Data Postagem: 22/11/2013
PUBLICIDADE