Domingo, 23 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Conmebol: segundo jogo da semifinal entre São Paulo e Ponte será em Mogi

Entidade ignora novo laudo da Macaca e marca a partida para estádio Romildão.

Fim da novela - e com mais uma reviravolta. O segundo jogo da semifinal da Copa Sul-Americana entre Ponte Preta e São Paulo será em Mogi Mirim, quarta-feira, às 21h50 (horário de Brasília). A decisão foi comunicada pela Conmebol aos clubes no fim da tarde desta sexta-feira - a diretoria da Ponte nega ter sido informada e diz que aguarda a posição da entidade.


A Conmebol ignorou o novo laudo obtido pela Macaca junto ao Corpo de Bombeiros, atestando a capacidade do Moisés Lucarelli para mais de 20 mil pessoas, como manda o regulamento da competição. A Ponte jogará pela vantagem de poder perder por até 2 a 0, já que venceu o primeiro jogo, no Morumbi, por 3 a 1. O Tricolor precisa vencer por três gols de diferença ou por dois, desde que marque pelo menos quatro (4 a 2, 5 a 3....).


O estádio Romildo Gomes Ferreira, em Mogi Mirim, tem capacidade para 20.579 pessoas, de acordo com laudo do Corpo de Bombeiros com validade até maio de 2014. A cidade fica a 57 quilômetros de Campinas e a 155 quilômetros de São Paulo. Há o temor de que as torcidas das duas equipes se encontrem na estrada rumo a Mogi, a Adhemar de Barros.


A diretoria da Ponte já havia dito que aceitaria jogar em Mogi, mas nunca desistiu de batalhar pelo Moisés Lucarelli. Nesta sexta, a Macaca apresentou o novo Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), assinado na quinta-feira, atestando capacidade do Majestoso para receber um público de 20.970, próximo do limite exigido pelo regulamento do torneio a partir das oitavas de final. A diretoria alvinegra enviou o documento para a Federação Paulista de Futebol, que ainda passou pela CBF antes de chegar à Conmebol. A cúpula da Macaca estava muito confiante na realização da partida em Campinas. Mas, diante disso, a diretoria do São Paulo voltou a agir. O vice-presidente do Tricolor, João Paulo de Jesus Lopes, disse que "não aceitaria pacificamente" a realização do jogo no Majestoso. A Conmebol cedeu à pressão são-paulina.

Fonte: G1
Data Postagem: 23/11/2013
PUBLICIDADE