Segunda-Feira, 24 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Daniel Alves pede que clube devolva emprego a torcedor que jogou banana

O torcedor trabalhava nas categorias de base do Villarreal

O lateral Daniel Alves pediu que o jovem que lançou uma banana em campo durante a partida entre Villarreal e Barcelona, no último dia 27 de abril, tenha seu emprego de volta. O acusado, David Camapayo Leo, de 26 anos, era funcionário do Villarreal e foi banido do clube após o ato racista.


"Minha única preocupação é que o menino perdeu o emprego e isso eu não queria. Não queria causar dano a ninguém, ele fez uma brincadeira e as pessoas fizeram uma revolução por isso", disse Daniel Alves em entrevista à rádio Rac1, da Catalunha. "Peço que devolvam seu trabalho", afirmou o jogador.


O torcedor trabalhava nas categorias de base do Villarreal. O banimento significa que ele jamais poderá acessar qualquer instalação e o estádio do clube, além da perda do emprego. O Villarreal não quis se pronunciar sobre a questão porque o caso está sendo investigado pelas autoridades espanholas.


David pode ser condenado de 1 a 3 anos de prisão pelo gesto racista. O caso ganhou repercussão após Daniel Alves pegar a banana na beira do gramado e comer a fruta. A resposta do brasileiro deu origem a uma campanha lançada por Neymar, chamada de #somostodosmacacos, que ganhou apoio de celebridades nas redes sociais.


Daniel Alves, que afirmou em entrevista recente à TV Globo não ter gostado da campanha, disse à rádio espanhola que o torcedor do Villarreal "não sabia o que estava fazendo".


"Não é uma coisa que aconteceu agora. Não quero generalizar, não disse que a Espanha é racista. Digo que na Espanha há racismo. Estou há onze anos aqui e há onze anos é a mesma coisa, as pessoas me chamam de macaco", lamentou o jogador.


O lateral Daniel Alves pediu que o jovem que lançou uma banana em campo durante a partida entre Villarreal e Barcelona, no último dia 27 de abril, tenha seu emprego de volta. O acusado, David Camapayo Leo, de 26 anos, era funcionário do Villarreal e foi banido do clube após o ato racista.


"Minha única preocupação é que o menino perdeu o emprego e isso eu não queria. Não queria causar dano a ninguém, ele fez uma brincadeira e as pessoas fizeram uma revolução por isso", disse Daniel Alves em entrevista à rádio Rac1, da Catalunha. "Peço que devolvam seu trabalho", afirmou o jogador.


O torcedor trabalhava nas categorias de base do Villarreal. O banimento significa que ele jamais poderá acessar qualquer instalação e o estádio do clube, além da perda do emprego. O Villarreal não quis se pronunciar sobre a questão porque o caso está sendo investigado pelas autoridades espanholas.


David pode ser condenado de 1 a 3 anos de prisão pelo gesto racista. O caso ganhou repercussão após Daniel Alves pegar a banana na beira do gramado e comer a fruta. A resposta do brasileiro deu origem a uma campanha lançada por Neymar, chamada de #somostodosmacacos, que ganhou apoio de celebridades nas redes sociais.


Daniel Alves, que afirmou em entrevista recente à TV Globo não ter gostado da campanha, disse à rádio espanhola que o torcedor do Villarreal "não sabia o que estava fazendo".


"Não é uma coisa que aconteceu agora. Não quero generalizar, não disse que a Espanha é racista. Digo que na Espanha há racismo. Estou há onze anos aqui e há onze anos é a mesma coisa, as pessoas me chamam de macaco", lamentou o jogador.

Fonte: Uol
Data Postagem: 09/05/2014
PUBLICIDADE