Domingo, 23 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

“Repasse para folha salarial tem que sair do índice de responsabilidade”, diz Léo Matos

O presidente da Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul (Assomasul), Douglas Figueiredo, reforça que os municípios não aguentam mais viver de migalhas do governo federal
Foto: Assessoria

Durante sua participação nesta terça-feira (13) na XVII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, o prefeito de Naviraí Léo Matos, juntamente com centenas de prefeitos de todo o País, formalizaram a reivindicação ao Governo Federal de aumento de 2% do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Segundo o chefe do executivo de Naviraí, o governo federal e estadual não tem as mesmas responsabilidades que os municípios que arcam com todos os seus problemas.


- O governo federal oferece incentivo baixando o IPI para fortalecer a indústria e corta na fonte nosso do FPM. Queremos que eles cortem apenas da parte deles, pois os municípios estão falindo. Lutamos pelos 2 % do FPM também. O Governo federal abandonou os municípios – reclamou Léo Matos ao salientar que ausência da presidenta Dilma Rousseff gerou revolta aos prefeitos que buscam solução para este impasse.


Para Léo Matos, o governo estipula piso salarial para diversas classes, mas são os municípios quem pagam na maioria das vezes. Ele ressalta que e favorável aos pisos, mas desde que o governo federal ou quem criou mande também o dinheiro.


- A solução além da vinda dos recursos, seria de que fosse destinado para pagar folha e, que o mesmo não incida no índice de pagamento pessoal da Lei de Responsabilidade Fiscal. Ai sim valorizaria todas as classes – explicou Léo Matos.


O presidente da Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul (Assomasul), Douglas Figueiredo, reforça que os municípios não aguentam mais viver de migalhas do governo federal. Ele lamenta que os municípios tenham que arcar com as despesas da saúde pública, mesmo sabendo que todos tem obrigação com o setor.


- O pior é que a maioria das vezes os prefeitos gastam de 30% a 35% na saúde, isso tem engessado os gestores – lamentou Douglas.

Fonte: Assessoria
Data Postagem: 14/05/2014
PUBLICIDADE