Sexta-Feira, 28 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Google criará mecanismo para 'deletar' informações de buscas

Com a decisão os serviços de busca na Internet deverão remover informações que sejam "inadequadas, irrelevantes ou não mais relevantes"

O Google está desenvolvendo um mecanismo para apagar os dados de usuários que não querem suas informações disponíveis em buscas pela internet, segundo informa nesta quinta-feira o Wall Street Journal. O movimento ocorre depois de decisão da Corte de Justiça da União Europeia que determinou “o direito de ser esquecido” aos cidadãos do bloco.


Com a decisão os serviços de busca na Internet deverão remover informações que sejam "inadequadas, irrelevantes ou não mais relevantes". Caso não o façam, podem ter de pagar multas. O Google já está recebendo pedidos para remover as informações pessoais ofensivas de seu sistema, mas de acordo com o Wall Street Journal o mecanismo que agilizará o processo estará disponível primeiro na Alemanha.


Sem o mecanismo automatizado, o Google teria de construir um "exército de especialistas em remoção" de conteúdo em cada um dos 28 países da União Europeia, incluindo aqueles em que o Google não tem operações, disse a fonte. Enquanto a ferramento não está disponível, é possível tentar a remoção por meio deste link, inclusive para quem não mora na Europa.


Os europeus podem submeter pedidos de remoção de conteúdo diretamente às companhias de Internet em vez de recorrer a autoridades locais ou publicações. O Google é o principal mecanismo de busca online na Europa, dominando cerca de 93% desse mercado, de acordo com a empresa de estatísticas global StatCounter. O Bing, da Microsoft, tem 2,4%, e o Yahoo, 1,7%.


A empresa disse estar decepcionada com a decisão, que segundo a companhia difere dramaticamente da opinião de um conselheiro da mesma corte que concluiu no ano passado que deletar informação de resultados de pesquisa poderia interferir na liberdade de expressão.


O Yahoo está "analisando cuidadosamente" a decisão para estabelecer o impacto para seus negócios e seus usuários, disse um porta-voz da empresa em comunicado. "Desde nossa fundação quase 20 anos atrás, apoiamos uma Internet aberta e livre, não uma Internet ofuscada pela censura." A Microsoft não quis comentar a decisão.

Fonte: Terra
Data Postagem: 16/05/2014
PUBLICIDADE