Segunda-Feira, 24 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Brasil pega Áustria para fechar 2014 com zaga invicta após fiasco da Copa

Quatro meses depois de naufragar no 7 a 1 para a Alemanha, Seleção entra em campo com autoestima renovada e disposta a encerrar o ano sem sofrer gols
Foto: Divulgação

De dez gols em dois jogos na reta final da Copa do Mundo a defesa invicta nas últimas cinco partidas. E com o retrospecto de não ter levado nenhuma bola na rede desde o apito final do duelo contra a Holanda, na decisão do terceiro lugar no Mundial, que a Seleção vai encerrar a temporada 2014 no confronto diante da Áustria, no Ernst Happel Stadium, em Viena, nesta terça-feira, às 16h (de Brasília).


Foram cinco partidas sem sofrer nenhum gol. Triunfos sobre Colômbia (1 a 0), Equador (1 a 0), Argentina (2 a 0), Japão (4 a 0) e Turquia (4 a 0). E tudo sob a batuta de um novo comandante:Dunga. Nos quatro primeiros jogos, Jefferson foi o goleiro. No último, diante dos turcos, Diego Alves. A defesa teve Miranda e Filipe Luís, que não foram chamados para a Copa, em todos os jogos. Nesta terça-feira, David Luiz e Danilo completarão o setor.

- Na verdade, foi um risco. Enfrentamos grandes adversário. Os primeiros três amistosos que fizemos foram contra adversários que fizeram uma grande Copa do Mundo (Colômbia, Equador e Argentina). Foi uma prova de que a Seleção tem que ser respeitada. Estamos tentando recuperar essa autoestima e esse respeito que a Seleção sempre teve após o que aconteceu na Copa – disse Miranda.


Outro ponto defendido por jogadores e comissão técnica é o empenho de todos os atletas em campo. Do goleiro ao capitão Neymar, todos têm batido na tecla que a marcação e o bom desempenho do setor defensivo devem-se à entrega de todos os atletas que têm entrado em campo.

- Sabíamos que teríamos que treinar como se fosse um jogo. Com ritmo, pressão... Nós iríamos enfrentar adversários que queriam vencer o Brasil a qualquer custo. E a intensidade dos treinamentos teria ser semelhante aos jogos – disse Dunga, que vai repetir a escalação do confronto diante da Turquia.


Se a defesa está funcionando, o ataque tem um artilheiro. Desde que Dunga assumiu a Seleção, Neymar marcou sete gols em cinco jogos. Além disso, ele igualou-se a Bebeto, com 42, como o sétimo maior artilheiro da história da equipe nacional. Por estar balançando a rede a todo momento, o camisa 10 do Brasil brincou com os jornalistas.

- Vocês estão ficando mal-acostumados. Estão até me cobrando para fazer gols. Vou tentar fazer, sim.

Nem o episódio envolvendo Thiago Silva, que se disse chateado por não ter sido chamado para uma conversa por Dunga ou Neymar pela perda da braçadeira de capitão, deve atrapalhar o desempenho da Seleção. Após uma conversa com o comandante e com o craque do time, a polêmica parece ter sido estancada.

- Fico chateado quando perco no par ou ímpar e tenho me cobrado muito na seleção, principalmente nesse momento de renovação. Vimos nos amistosos que o time está sólido, a equipe está jogando firme e com cara de Seleção. Só assim vamos procurar evoluir para chegar em 2018 bem preparados – analisou Thiago Silva, que ficará mais uma vez no banco de reservas.


<b>Áustria não terá sua principal estrela</b>

A Áustria não vai contar com a sua principal estrela. O polivalente lateral-esquerdo Alaba, do Bayern de Munique, está machucado e não vai participar do confronto desta terça-feira. Porém, o técnico Marcel Koller poderá contar com o atacante Arnautovic, do Stoke City.

Disputando as eliminatórias da Eurocopa 2016, os austríacos ocupam a primeira colocação no Grupo G, com dez pontos, quatro a mais do que a Suécia. A chave conta ainda com Rússia, Liechtenstein, Moldávia e Montenegro.

Fonte: G1
Data Postagem: 18/11/2014
PUBLICIDADE