Domingo, 23 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Palmeiras desperdiça pênalti mas vence Santos e abre vantagem na final

O placar de 1 a 0 em favor do Palmeiras acabou ficando de bom tamanho para todos. Principalmente para o Santos, sem Robinho, jogando fora de casa e com um jogador a menos quase o segundo tempointeiro. Já o Verdão sai na frente e joga agora pelo empate para ser campeão paulista no próximo domingo, dia 3, na Vila Belmiro, porém pelo semblante dos jogadores ficou aquele gostinho de “podia ser melhor”.


Veja Mais
› Comercial e Ivinhema apenas empatam no primeiro jogo da final
› Corrida São Bento é disputada sob forte calor; confira os campeões


O Verdão fez um bom jogo para os quase 40 mil torcedores que lotaram o Allianz Parque, se impôs desde o início diante de um Santos retraído como nunca e facilmente envolvido por uma bela triangulação entre Cleiton Xavier - com corta-luz inteligente de Robinho – e cruzamento do lateral Lucas para a finalização certeira na pequena área de Leandro Pereira, aos 29 minutos do primeiro tempo. Um gol que incendiou o jogo ainda mais.


Ao contrário do que se esperava, o Santos continuou acuado, tendo Ricardo Oliveira como única (e isolada) referência no ataque que tentava alguma jogada ou chute contra a meta alvinegra.


No segundo tempo, os dois times voltaram a campo sem ambos os técnicos, expulsos pelo árbitro no intervalo após reclamação.


E o placar seguiu inalterado até o fim, para a frustração da torcida alviverde, que viu Dudu desperdiçar um pênalti aos 15 minutos da etapa complementar, logo após a expulsão do zagueiro santista Paulo Ricardo (aos 11), e chutar por cima do gol também a vantagem de 2 gols que o Verdão poderia levar para o Alçapão da Vila.


Além da vantagem para a final, a vitória do Verdão quebra um tabu de oito jogos sem bater o Santos, desde fevereiro de 2012, com seis triunfos para o Alvinegro Praiano e dois empates.


O placar de 1 a 0 em favor do Palmeiras acabou ficando de bom tamanho para todos. Principalmente para o Santos, sem Robinho, jogando fora de casa e com um jogador a menos quase o segundo tempointeiro. Já o Verdão sai na frente e joga agora pelo empate para ser campeão paulista no próximo domingo, dia 3, na Vila Belmiro, porém pelo semblante dos jogadores ficou aquele gostinho de “podia ser melhor”.


Veja Mais
› Comercial e Ivinhema apenas empatam no primeiro jogo da final
› Corrida São Bento é disputada sob forte calor; confira os campeões


O Verdão fez um bom jogo para os quase 40 mil torcedores que lotaram o Allianz Parque, se impôs desde o início diante de um Santos retraído como nunca e facilmente envolvido por uma bela triangulação entre Cleiton Xavier - com corta-luz inteligente de Robinho – e cruzamento do lateral Lucas para a finalização certeira na pequena área de Leandro Pereira, aos 29 minutos do primeiro tempo. Um gol que incendiou o jogo ainda mais.


Ao contrário do que se esperava, o Santos continuou acuado, tendo Ricardo Oliveira como única (e isolada) referência no ataque que tentava alguma jogada ou chute contra a meta alvinegra.


No segundo tempo, os dois times voltaram a campo sem ambos os técnicos, expulsos pelo árbitro no intervalo após reclamação.


E o placar seguiu inalterado até o fim, para a frustração da torcida alviverde, que viu Dudu desperdiçar um pênalti aos 15 minutos da etapa complementar, logo após a expulsão do zagueiro santista Paulo Ricardo (aos 11), e chutar por cima do gol também a vantagem de 2 gols que o Verdão poderia levar para o Alçapão da Vila.


Além da vantagem para a final, a vitória do Verdão quebra um tabu de oito jogos sem bater o Santos, desde fevereiro de 2012, com seis triunfos para o Alvinegro Praiano e dois empates.


O placar de 1 a 0 em favor do Palmeiras acabou ficando de bom tamanho para todos. Principalmente para o Santos, sem Robinho, jogando fora de casa e com um jogador a menos quase o segundo tempointeiro. Já o Verdão sai na frente e joga agora pelo empate para ser campeão paulista no próximo domingo, dia 3, na Vila Belmiro, porém pelo semblante dos jogadores ficou aquele gostinho de “podia ser melhor”.


Veja Mais
› Comercial e Ivinhema apenas empatam no primeiro jogo da final
› Corrida São Bento é disputada sob forte calor; confira os campeões


O Verdão fez um bom jogo para os quase 40 mil torcedores que lotaram o Allianz Parque, se impôs desde o início diante de um Santos retraído como nunca e facilmente envolvido por uma bela triangulação entre Cleiton Xavier - com corta-luz inteligente de Robinho – e cruzamento do lateral Lucas para a finalização certeira na pequena área de Leandro Pereira, aos 29 minutos do primeiro tempo. Um gol que incendiou o jogo ainda mais.


Ao contrário do que se esperava, o Santos continuou acuado, tendo Ricardo Oliveira como única (e isolada) referência no ataque que tentava alguma jogada ou chute contra a meta alvinegra.


No segundo tempo, os dois times voltaram a campo sem ambos os técnicos, expulsos pelo árbitro no intervalo após reclamação.


E o placar seguiu inalterado até o fim, para a frustração da torcida alviverde, que viu Dudu desperdiçar um pênalti aos 15 minutos da etapa complementar, logo após a expulsão do zagueiro santista Paulo Ricardo (aos 11), e chutar por cima do gol também a vantagem de 2 gols que o Verdão poderia levar para o Alçapão da Vila.


Além da vantagem para a final, a vitória do Verdão quebra um tabu de oito jogos sem bater o Santos, desde fevereiro de 2012, com seis triunfos para o Alvinegro Praiano e dois empates.


O placar de 1 a 0 em favor do Palmeiras acabou ficando de bom tamanho para todos. Principalmente para o Santos, sem Robinho, jogando fora de casa e com um jogador a menos quase o segundo tempointeiro. Já o Verdão sai na frente e joga agora pelo empate para ser campeão paulista no próximo domingo, dia 3, na Vila Belmiro, porém pelo semblante dos jogadores ficou aquele gostinho de “podia ser melhor”.


Veja Mais
› Comercial e Ivinhema apenas empatam no primeiro jogo da final
› Corrida São Bento é disputada sob forte calor; confira os campeões


O Verdão fez um bom jogo para os quase 40 mil torcedores que lotaram o Allianz Parque, se impôs desde o início diante de um Santos retraído como nunca e facilmente envolvido por uma bela triangulação entre Cleiton Xavier - com corta-luz inteligente de Robinho – e cruzamento do lateral Lucas para a finalização certeira na pequena área de Leandro Pereira, aos 29 minutos do primeiro tempo. Um gol que incendiou o jogo ainda mais.


Ao contrário do que se esperava, o Santos continuou acuado, tendo Ricardo Oliveira como única (e isolada) referência no ataque que tentava alguma jogada ou chute contra a meta alvinegra.


No segundo tempo, os dois times voltaram a campo sem ambos os técnicos, expulsos pelo árbitro no intervalo após reclamação.


E o placar seguiu inalterado até o fim, para a frustração da torcida alviverde, que viu Dudu desperdiçar um pênalti aos 15 minutos da etapa complementar, logo após a expulsão do zagueiro santista Paulo Ricardo (aos 11), e chutar por cima do gol também a vantagem de 2 gols que o Verdão poderia levar para o Alçapão da Vila.


Além da vantagem para a final, a vitória do Verdão quebra um tabu de oito jogos sem bater o Santos, desde fevereiro de 2012, com seis triunfos para o Alvinegro Praiano e dois empates.

Fonte: campo grande news
Data Postagem: 27/04/2015
PUBLICIDADE