Domingo, 23 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Juiz lidera guerra à corrupção em cidade que teve vereadores 'varridos da Câmara'

População de Naviraí se uniu para combater a corrupção

A Operação Athenas, deflagrada em outubro de 2014 pela Polícia Federal e MPE (Ministério Público Estadual), desmantelou uma quadrilha formada por vereadores e servidores da Câmara de Naviraí, distante 350 quilômetros da Capital. O caso deixou perplexa a cidade, que agora resolveu contra-atacar e combater a corrupção, criando um movimento que envolve todo o município.


“Considerando que não era ano eleitoral, e a Justiça Eleitoral teria tempo para promover uma atividade extra, que fosse em todos os sentidos inovadora e que representasse uma movimentação da sociedade em prol da cidadania, da consciência cívica, do espírito publico e dos ideais da honestidade e da ética”, explica um dos organizador do movimento, Eduardo Lacerda Trevisan, juiz da 2ª Zona Eleitoral de Naviraí.



 


Praticamente todos os segmentos organizados da sociedade naviariense se reuniram para combater a corrupção na Câmara Municipal e na Prefeitura local. Indiciados pelos crimes de corrupção, extorsão e formação de quadrilha, alguns vereadores renunciaram, outros foram cassados ou afastados.


Trevisan explica que todos os 13 vereadores eleitos em 2012 foram substituídos por seus suplentes. Para a PF, os antigos parlamentares, além da cobrança de propina para aprovação de leis e para intermediação de interesses privados do Executivo, ainda organizaram um esquema ilegal de pagamento de diárias.


“Os empresários me perguntam no que podem ajudar mais? O que você pode ajudar mais é não dar propina para um político corrupto, ao invés de propina você deve denunciar. É um jogo de conivência, o empresário quer um terreno para implantar uma indústria, e um vereador e um secretário corruptos pedem grana, o que o empresário faz, fica quieto e dá a grana. Ele tem que denunciar e não dar propina, mas ainda assim querer o terreno porque é algo de interesse público, ai a coisa se resolve na justiça”, ressalta o juiz.


Semelhança


Em Campo Grande a doação de terrenos públicos para empresas, que acontecem por meio do Prodes (Programa de Desenvolvimento Econômico e Social de Campo Grande), entrou na mira do Ministério Público, que abriu inquérito para ‘apurar possíveis irregularidades no projeto, em virtude da ausência de interesse público nas doações de terrenos para empresas particulares’.


“Eu entendi que era o momento de fazer uma reflexão de que as coisas não podem ser assim, isso (a corrupção) é o desvirtuamento, o erro, a conduta errada que merece ser combatida, repelida e rejeitada pela sociedade, que precisa entender a corrupção como algo inaceitável. As pessoas precisam se sentir orgulhosas em serem honestas”, pontua.


Ação


O lançamento oficial do ‘Movimento Naviraiense Contra a Corrupção e pela Ética na Política’, está marcado para o próximo dia 20 de maio, na Câmara Municipal de Naviraí, às 19h30. Entre as ações previstas, estão ciclo de debates nas universidades, palestras nas escolas, concurso de redação, adesivagem, caminhada e até cultos religiosos.


“Eu, o promotor eleitoral e o defensor público  iremos nas escolas fazer uma palestra prévia, abordando os males da corrupção, que representa o dinheiro que falta para saúde, educação, qualidade de vida e um futuro melhor. O dinheiro que os corruptos roubam é o que falta para melhorar nossa vida”, revela Trevizan.


Depois do primeiro ciclo de palestras, os alunos do ensino médio de Naviraí poderão de se inscrever em um concurso de redação, que vai dar R$ 3 mil em prêmios, valor fornecido pelos próprios palestrantes.


Nas redes sociais, diversos movimentos têm sido criados de ‘combate à corrupção’. A intenção do movimento em Naviraí não é apenas ‘limpar’ a cidade da corrupção, mas se tornar um exemplo para outros municípios sul-mato-grossenses.


“O resultado prático que queremos são pessoas mais vigilantes e refratárias à corrupção, e a partir daí se irradie para outras cidades. O que aconteceu em Naviraí não pode ter acontecido em vão. Não podemos chegar na próxima eleição e a eleição ser igual à anterior. A consciência das pessoas tem que mudar, e o resultado prático que vamos cobrar em Naviraí é a maior transparência dos serviços públicos”, finaliza o juiz eleitoral.


A Operação Athenas, deflagrada em outubro de 2014 pela Polícia Federal e MPE (Ministério Público Estadual), desmantelou uma quadrilha formada por vereadores e servidores da Câmara de Naviraí, distante 350 quilômetros da Capital. O caso deixou perplexa a cidade, que agora resolveu contra-atacar e combater a corrupção, criando um movimento que envolve todo o município.


“Considerando que não era ano eleitoral, e a Justiça Eleitoral teria tempo para promover uma atividade extra, que fosse em todos os sentidos inovadora e que representasse uma movimentação da sociedade em prol da cidadania, da consciência cívica, do espírito publico e dos ideais da honestidade e da ética”, explica um dos organizador do movimento, Eduardo Lacerda Trevisan, juiz da 2ª Zona Eleitoral de Naviraí.



 


Praticamente todos os segmentos organizados da sociedade naviariense se reuniram para combater a corrupção na Câmara Municipal e na Prefeitura local. Indiciados pelos crimes de corrupção, extorsão e formação de quadrilha, alguns vereadores renunciaram, outros foram cassados ou afastados.


Trevisan explica que todos os 13 vereadores eleitos em 2012 foram substituídos por seus suplentes. Para a PF, os antigos parlamentares, além da cobrança de propina para aprovação de leis e para intermediação de interesses privados do Executivo, ainda organizaram um esquema ilegal de pagamento de diárias.


“Os empresários me perguntam no que podem ajudar mais? O que você pode ajudar mais é não dar propina para um político corrupto, ao invés de propina você deve denunciar. É um jogo de conivência, o empresário quer um terreno para implantar uma indústria, e um vereador e um secretário corruptos pedem grana, o que o empresário faz, fica quieto e dá a grana. Ele tem que denunciar e não dar propina, mas ainda assim querer o terreno porque é algo de interesse público, ai a coisa se resolve na justiça”, ressalta o juiz.


Semelhança


Em Campo Grande a doação de terrenos públicos para empresas, que acontecem por meio do Prodes (Programa de Desenvolvimento Econômico e Social de Campo Grande), entrou na mira do Ministério Público, que abriu inquérito para ‘apurar possíveis irregularidades no projeto, em virtude da ausência de interesse público nas doações de terrenos para empresas particulares’.


“Eu entendi que era o momento de fazer uma reflexão de que as coisas não podem ser assim, isso (a corrupção) é o desvirtuamento, o erro, a conduta errada que merece ser combatida, repelida e rejeitada pela sociedade, que precisa entender a corrupção como algo inaceitável. As pessoas precisam se sentir orgulhosas em serem honestas”, pontua.


Ação


O lançamento oficial do ‘Movimento Naviraiense Contra a Corrupção e pela Ética na Política’, está marcado para o próximo dia 20 de maio, na Câmara Municipal de Naviraí, às 19h30. Entre as ações previstas, estão ciclo de debates nas universidades, palestras nas escolas, concurso de redação, adesivagem, caminhada e até cultos religiosos.


“Eu, o promotor eleitoral e o defensor público  iremos nas escolas fazer uma palestra prévia, abordando os males da corrupção, que representa o dinheiro que falta para saúde, educação, qualidade de vida e um futuro melhor. O dinheiro que os corruptos roubam é o que falta para melhorar nossa vida”, revela Trevizan.


Depois do primeiro ciclo de palestras, os alunos do ensino médio de Naviraí poderão de se inscrever em um concurso de redação, que vai dar R$ 3 mil em prêmios, valor fornecido pelos próprios palestrantes.


Nas redes sociais, diversos movimentos têm sido criados de ‘combate à corrupção’. A intenção do movimento em Naviraí não é apenas ‘limpar’ a cidade da corrupção, mas se tornar um exemplo para outros municípios sul-mato-grossenses.


“O resultado prático que queremos são pessoas mais vigilantes e refratárias à corrupção, e a partir daí se irradie para outras cidades. O que aconteceu em Naviraí não pode ter acontecido em vão. Não podemos chegar na próxima eleição e a eleição ser igual à anterior. A consciência das pessoas tem que mudar, e o resultado prático que vamos cobrar em Naviraí é a maior transparência dos serviços públicos”, finaliza o juiz eleitoral.

Fonte: tanamidianavirai
Data Postagem: 15/05/2015
PUBLICIDADE