Sbado, 29 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Helicóptero que caiu com filho de Alckmin tinha peças desconectadas

A Força Aérea esclarece ainda que um acidente não ocorre por uma causa isolada

A Aeronáutica divulgou nota ontem (2) informando que dois controles fundamentais do helicóptero PP-LLS, que caiu no dia 2 de abril, em Carapicuíba, zona oeste da Grande São Paulo, não estavam conectados. O acidente matou cinco pessoas, entre elas Thomas Alckmin, filho mais novo do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.


“Controles flexíveis (ball type) e alavancas (bellcranck) – dois componentes fundamentais para o piloto controlar a aeronave em voo – estavam desconectados antes da decolagem”, informou a nota. À Agência Brasil, a assessoria da Aeronáutica explicou que durante um voo padrão os dois controles devem estar conectados.


Os destroços mostraram que tanto o ball typequanto o bellcranck não estavam conectados durante a queda, e as investigações mostraram que os componentes se mantiveram dessa forma durante todo o voo.


Além disso, segundo a Aeronáutica, as evidências têm mostrado que o comandante pilotou o helicóptero durante todo o período do voo. Além disso, os danos encontrados nos motores, transmissão principal e de cauda, pás do rotor principal e de cauda e demais componentes foram consequências do acidente e não deram causa à queda.


As investigações mostram ainda que a aeronave havia passado recentemente por manutenção prevista. A nota diz ainda que os componentes eletrônicos do helicóptero estão sendo analisados e ainda não é possível determinar as causas do acidente.


A Força Aérea esclarece ainda que um acidente não ocorre por uma causa isolada, e sim “por uma série de fatores contribuintes encadeados”.

Fonte: correio do estado
Data Postagem: 03/06/2015
PUBLICIDADE