Sexta-Feira, 28 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Delcídio recebeu propina da BR e da compra de refinaria

Senador teria sido beneficiado na divisão de US$ 15 mi com a compra de Pasadena

O senador Delcídio do Amaral (PT-MS) foi um dos beneficiados com a distribuição de US$ 15 milhões de propina da compra da sucateada refinaria de Pasadena, no Texas, Estados Unidos. A revelação foi do ex-diretor da Petrobras e ex-auxiliar do senador petista Nestor Ceveró, aos procuradores da força-tarefa em Curitiba e da equipe do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Ele está negociando delação premiada para aliviar a pena das condenações por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.


E Delcídio teria ainda se beneficiado com dinheiro da corrupção da BR Distribuidora da Petrobras. As negociações da divisão do bolo de propina  da BR foram feitas num quarto de hotel no Rio. Segundo a revista Época — que teve acesso aos depoimentos de Cerveró —, no fim de 2010, após as eleições daquele ano, ocorreu jantar no Hotel Windsor Leme, no Rio de Janeiro, no quarto onde estava hospedado Pedro Paulo Leoni Ramos, operador do senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), envolvido na Lava Jato.


De acordo com relato de Cerveró, participaram dessa reunião o ex-deputado federal Cândido Vaccarezza (PT-SP), Delcídio do Amaral e três diretores da BR. Nesse jantar, segundo Cerveró, ficou estabelecida a divisão das propinas da BR de acordo com o interesse de cada partido ou político. Uma área atenderia Vaccarezza e um grupo ligado ao PT formado pelos deputados José Mentor (SP), Jilmar Tatto (PT), André Vargas (PR) e Vander Loubet (MS). Outro setor seria exclusivo de Collor e Cerveró se dividiria entre Collor, Delcídio e Vaccarezza.

Fonte: correio do estado
Data Postagem: 14/09/2015
PUBLICIDADE