Quinta-Feira, 27 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Delegado que investiga assassinato de Jennifer prepara desdobramentos

Novas testemunhas entraram no rol de pessoas que precisam ser ouvidas

O delegado titular da 2ª Delegacia de Polícia, em Campo Grande, Alexandre Amaral Evangelista, prepara novos desdobramentos na investigação da morte da manicure Jennifer Nayara Guilhermete, 22 anos.


A jovem morreu com dois tiros e foi localizada na cachoeira Ceuzinho, que fica próxima ao perímetro urbano da Capital.


O policial pretende ouvir novas pessoas que tiveram os nomes mencionados por uma adolescente, que até a manhã de quarta-feira (20) era apontada como colaboradora, mas durante a tarde passou a ser investigada como suspeita.


Também vai ser preciso fazer acareações a partir de declarações de Emilly Karoliny Leite, 19 anos, presa por conta de envolvimento no homicídio. A jovem se manteve calada em depoimento, contudo, em coletiva de imprensa do delegado, realizada na tarde de quarta-feira (20), decidiu falar sobre o crime primeiramente para a imprensa presente.


A outra suspeita do crime é Gabriela Antunes Santos, 22 anos. Ela é apontada pela polícia como sendo a mentora do assassinato e quem teria puxado o gatilho. Santos está foragida da Justiça e teria fugido para a Bahia.


A motivação do crime foi passional. Jennifer Nayara havia namorado o atual marido de Gabriela quatro anos atrás. Apesar do fim desse relacionamento, inclusive a vítima também era casada, a suspeita ainda teria ciúmes.


Confira as declarações do delegado concedidas na tarde de quarta-feira em vídeo gravado divulgado pela Polícia Civil.



CRIME PASSIONAL


A Polícia Civil apurou que o homicídio aconteceu porque Gabriela e Jennifer tinham uma briga há cerca de quatro anos. 


A manicure havia namorado o atual marido de Gabriela e isso ainda era motivo de ciúmes. O ex-namorado da vítima e marido da suspeita do homicídio não foi ouvido pela polícia.


Conforme apurado no inquérito, primeiramente Gabriela foi até Jennifer, que estava na casa de uma cliente no bairro Vida Nova. O argumento utilizado para a vítima entrar no carro e sair do local era de que Gabriela queria resolver a briga que as duas tinham há quatro anos.


Foi até mencionado que as duas seguiriam para a casa de uma outra pessoa, que mora nas proximidades da avenida Euler de Azevedo, sentido a cachoeira Ceuzinho. Nessa residência, seria o local para haver a intermediação sobre a briga.


Emilly e a adolescente de 16 anos, que é sobrinha do marido de Gabriela, estavam no carro, junto com as duas outras mulheres.


De acordo com a polícia, quando Emilly e Gabriela eram adolescentes, as duas já agrediram uma jovem e rasparam a cabeça da vítima por conta de ciúmes.


Jennifer Nayara Guilhermete, assassinada na sexta (15)

 
Fonte: correio do estado
Data Postagem: 21/01/2016
PUBLICIDADE