Domingo, 23 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Atacante Neymar pode ser preso por sonegação de imposto, diz revista

Neymar e o pai dele podem ser presos, ao menos é o que publica a revista Veja neste sábado. A publicação, que teve acesso a denúncia feita pelo procurador Thiago Lacerda Nobre, afirma que os dois criaram empresas de fachada e adulteraram documentos para pagar menos impostos.


Segundo a revista, Neymar e o pai criaram empresas para receber maior parte do seu salário no Santos e contratos de publicidade. Assim, eles pagariam uma alíquota menor do Imposto de Renda, fugindo dos 27,5%. Com isso, eles teriam conseguido um abatimento de mais de 50% do valor a ser pago.


"Fica muito claro que Neymar e o pai constituíram as empresas com o único objetivo de receber por elas os valores dos contratos e assim pagar menos impostos", afirmou Thiago à revista, que procurou a assessoria de imprensa de Neymar, mas ela preferiu não se manifestar, pois eles não foram notificados do assunto.


A denúncia do Ministério Público Federal, feito na última semana, poderia render até cinco anos de prisão para os dois.


Em seis anos, Neymar e seu pai abriram três empresas: a Neymar Sport e Marketing, a N&N Consultoria Esportiva e a N&N Administração de Bens. De acordo com a procuradoria, nenhuma delas tinham "capacidade econômico-financeira, gerencial ou operacional" para cuidar da carreira do atacante.


Os sócios nas empresas eram o pai e a mãe do jogador e elas tinham apenas dois funcionários, que trabalhavam como seguranças.


Entre 2010 e 2013, Neymar teria recebido R$ 43,78 milhões do Santos, mas apenas R$ 8,1 veio em forma de salário, como pessoa física. O resto foi pago em "contratos de imagem" acertado com suas empresas.


As empresas ainda têm 11 contratos de patrocínios firmados para o jogador em um valor de aproximadamente R$ 75 milhões.


"Nesses casos, acreditamos que o direito de imagem foi utilizado para substituir o salário do jogador. Assim, tanto o atleta quanto o clube pagam menos impostos. Só que, na verdade, há uma relação trabalhista mascarada como prestação de serviços", afirmou Kleber Cabral, vice-presidente da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil.


De acordo com a denúncia, alguns contratos assinados são anteriores a criação das próprias empresas. Eles fechavam os acordos antes da empresa ser registrada e ter CNPJ e quando os documentos eram obtidos, eles inseriam os dados nos contratos com data anterior.


A empresa ainda teria recebido 30 milhões de euros a título de indenização, por outro contrato, que foi pago em 2013 e 2014. Para o Ministério Público, não houve empréstimo ou indenização e sim uma "simulação" para esconder um adiantamento do Barcelona ao jogador a fim de garantir a sua transferência dali a três anos.


Por fim, a publicação transcreve parte do que seria um depoimento do pai de Neymar ao procurador. "Sabe o que o Barcelona está fazendo agora? O Barcelona ficou dois anos sem poder contratar. Sabe qual a gerência que eles estão estudando? A nossa. É só não registrar, não tem problema. Eu não registro, mas eu posso fazer um contrato e executo lá na frente. Você quer esse moleque? Não, só entrego daqui a dois anos. Adianta uns '10 milhão aí', como a título de empréstimo, legaliza", afirmou.

Fonte: douradosnews
Data Postagem: 31/01/2016
PUBLICIDADE