Sexta-Feira, 28 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Carro zero com novo IPI ficará pelo menos R$ 1.300 mais caro

Algumas concessionárias alertaram que, mesmo para negócios fechados ainda neste ano, o faturamento do carro pode seguir a tabela de janeiro de 2014

Com a nova alíquota do IPI que será cobrada a partir de 1º de janeiro, comprar um carro novo em 2014 no Brasil vai ficar mais caro. Não à toa, a procura por modelos 0 km em dezembro está bastante alta e o mês deve fechar com mais de 350 mil unidades emplacadas, recorde no ano.


De acordo com a tabela apresentada pelo governo federal, válida até 30 de junho, a tributação será de 3% para veículos 1.0 flex, 9% para os de motorização bicombutível até 2 litros e 10% para os com propulsor entre 1.000 e 2.000 cc movidos só a gasolina. A partir de 1º de julho, os percentuais sobem, respectivamente, para 7%, 11% e 13%.


Para entender o impacto dessas porcentagens no preço final ao consumidor, UOL Carros consultou 15 concessionárias das marcas Fiat, Volkswagen, GM e Ford, em São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ), sobre valores de modelos entre os mais vendidos de cada marca (Novo Uno, Gol G5, Onix e New Fiesta), se possível em suas versões básicas.


No caso da Fiat, revendedores estimaram que o Uno Vivace 1.0 duas portas (R$ 24.500) pode ficar até R$ 1.300 mais caro. Mesma estimativa de reajuste para o Gol G5 (R$ 29.990); uma concessionária da Volks foi a única a admitir que, além do novo IPI, a fabricante também deve fazer um reajuste de 1,3% em sua tabela.


Aqui vale lembrar que, entre todos os modelos averiguados, o Gol é o único que ainda não tem ABS e airbags de série, itens que passarão a ser obrigatórios em 2014.


Revendedores da GM/Chevrolet foram os que deram previsões mais elevadas de reajuste. O Onix LS 1.0 (R$ 31.790) pode subir cerca de R$ 1.500, mesmo aumento esperado por concessionários Ford para o New Fiesta S (R$ 38.890), que por ter motor de 1,5 litro sofre tributação maior.


Na consulta feita por UOL Carros, poucas foram as revendas autorizadas que ainda tinham em estoque as versões mais básicas dos principais modelos -- e, se tinham, era apenas em quantidade bem reduzida. Consequência da procura acima da média ao longo deste mês.


Algumas concessionárias alertaram que, mesmo para negócios fechados ainda neste ano, o faturamento do carro pode seguir a tabela de janeiro de 2014; outras se mostraram dispostas a negociar possíveis descontos (a reportagem se passou por um cliente comum).


Neste menos de quatro dias até 2014 (31/12 não conta), adquirir um carro 0 km com os preços atuais, ainda sem impacto do IPI (e da instalação de airbags e ABS, quando for o caso), vai depender de dois fatores: pesquisa intensa (aliada a uma pitada de sorte) para encontrar o modelo desejado a pronta entrega; e poder de negociação, se ainda for necessário encomendar o carro.

Fonte: Uol
Data Postagem: 28/12/2013
PUBLICIDADE