Segunda-Feira, 24 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Cruzeiro empata clássico com América e segue sem vencer

O Cruzeiro continua sem vencer no Campeonato Brasileiro. Neste sábado, a equipe celeste pressionou, mas não evitou um empate no clássico contra o América-MG, no Mineirão, por 1 a 1.


O time de Paulo Bento começou a partida melhor, abusou dos gols perdidos e viu Victor Rangel abrir o placar aos 29 minutos da primeira etapa. O empate veio apenas no segundo tempo, aos 36 minutos, após a entrada do ex-palmeirense Robinho. Estreante, o meia colocou fogo no jogo e deu uma bela assistência para Arrascaeta igualar o marcador.


Além das quatro rodadas sem vitórias no Brasileiro, o Cruzeiro amarga um jejum contra o América em 2016. Em quatro jogos, foram três empates e uma derrota. Na zona de rebaixamento com apenas dois pontos ganhos, a Raposa volta a campo na quarta-feira, às 21h45, contra o Botafogo, no Mané Garrincha, em Brasília.


O América também ainda não venceu no campeonato e tem os mesmos dois pontos que os rivais celestes. A equipe de Givanildo volta a entrar em ação na quinta-feira, contra a Ponte Preta, no Independência, às 19h30.


O jogo – O Cruzeiro mostrou uma evolução em relação à derrota contra o Santa Cruz no início da partida. A equipe comandada por Paulo Bento marcava bem e trocava passes, no entanto, seguia pecando na hora de concluir as jogadas e mostrava pouca intensidade.


A primeira investida celeste no ataque saiu dos pés do uruguaio Arrascaeta, que recebeu de Sánchez Miño, limpou a marcação e bateu de fora da área por cima do gol. A resposta do América veio no minuto seguinte, com Danilo, que aproveitou sobra de lançamento do goleiro João Ricardo, bateu forte e viu Fábio se esticar todo para defender.


O Cruzeiro continuava melhor em campo apesar da falta de criatividade. Aos 16 minutos, Sánchez Miño aproveitou vacilo do América, roubou a bola na defesa e tocou para Bruno Ramires. O garoto descolou uma grande enfiada de bola para Arrascaeta. Livre e de frente para o goleiro, o uruguaio tentou tocar por cobertura, mas pegou fraco na bola e acabou finalizando sem direção.


A superioridade da Raposa, no entanto, de nada adiantou. Aos 29 minutos, em uma das poucas jogadas do América no ataque, Artur recebeu de Hélder na entrada da área e ajeitou para o atacante Bruno Rangel pegar de primeira e balançar as redes do Cruzeiro, abrindo o placar para o Coelho.


O time celeste sentiu o golpe. Nas arquibancadas, a torcida pedia “raça” e perdia a paciência a cada passe errado da equipe, que teve uma chance de ouro para empatar aos 44 minutos. Gino roubou a bola na ponta direita, cruzou, a bola passou por Cabral e sobrou para Willian, na pequena área, bater. Bem colocado, o goleiro João Ricardo salvou o América e evitou o empate.


“A sorte não está do nosso lado”, resumiu Arrascaeta ao final da primeira etapa. No intervalo, Paulo Bento investiu em Douglas Coutinho no lugar de Gino para dar mais presença de ataque à equipe celeste. Com isso, Bruno Ramires acabou sendo recuado para a lateral.


Mesmo mais ofensivo, o Cruzeiro continuava com pouca criatividade. Aos 12 minutos, Willian recebeu de Ariel Cabral e bateu forte, porém, nas mãos de João Ricardo. A falta de jogadas efetivas de ataque fez Paulo Bento decidir pela entrada de Robinho no lugar de Cabral.


O ex-palmeirense começou bem, chamando a responsabilidade da armação e movimentando o ataque do Cruzeiro. Aos 15 minutos, o meia cruzou para o zagueiro Léo, que tocou de cabeça e a bola bateu no rosto de Suéliton. O time cruzeirense reclamou de um toque de mão do lateral americano.


Com uma produção nula no ataque, o técnico Givanildo decidiu mudar o América, colocando Sávio no lugar do autor do gol Victor Rangel. Entretanto, a mudança pouco surtiu efeito e o Coelho continuava acuado na defesa.


Aos 19 minutos, Robinho descolou mais uma assistência, desta vez para Willian. Dentro da área, o atacante chutou para uma nova defesa de João Ricardo. Foi a última chance do camisa 9 na partida, já que Paulo Bento decidiu trocá-lo por Riascos pouco depois.


A pressão cruzeirense começou a se intensificar. Aos 31 minutos, Riascos teve sua primeira participação na partida, aproveitando cruzamento de Bruno Ramires e tocando de cabeça muito perto do gol de João Ricardo.


Depois de tanto insistir, o Cruzeiro finalmente conseguiu o empate aos 36 minutos. Robinho lançou com precisão na área e Arrascaeta pegou de primeira, no canto direito de João Ricardo.


Dois minutos depois, porém, o torcedor celeste levou um susto. Sávio recebeu livre de marcação, entrou na área e bateu para boa defesa de Fábio.


O jogo acabou ficando mais aberto nos minutos finais. Com os nervos à flor da pele, os técnicos Givanildo e Paulo Bento acabaram se envolvendo em discussão na beira do gramado e foram expulsos. Dentro de campo, a última chance foi do Cruzeiro, com Henrique, aos 50 minutos, mas João Ricardo ficou com a bola e garantiu o empate.


FICHA TÉCNICA


CRUZEIRO 1 X 1 AMÉRICA-MG


Local: Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG)


Data: 28 de maio de 2016, sábado


Horário: 16 horas (de Brasília)


Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)


Assistentes: Celso Luiz da Silva (MG) e Felipe Alan Costa de Oliveira (PR)


Público: 11.266 pagantes


Renda: R$ 283.562,00


Cartões Amarelos: Douglas Coutinho (Cruzeiro) e Leandro Guerreiro (América)


GOLS:


CRUZEIRO: Arrascaeta, aos 36 minutos do segundo tempo


AMÉRICA-MG: Victor Rangel, aos 29 minutos do primeiro tempo;


CRUZEIRO: Fábio; Federico Gino (Douglas Coutinho), Bruno Viana, Léo e Sánchez Miño; Henrique Bruno Ramires, Ariel Cabral (Robinho), Arrascaeta e Élber; Willian (Riascos)


Técnico: Paulo Bento


O Cruzeiro continua sem vencer no Campeonato Brasileiro. Neste sábado, a equipe celeste pressionou, mas não evitou um empate no clássico contra o América-MG, no Mineirão, por 1 a 1.


O time de Paulo Bento começou a partida melhor, abusou dos gols perdidos e viu Victor Rangel abrir o placar aos 29 minutos da primeira etapa. O empate veio apenas no segundo tempo, aos 36 minutos, após a entrada do ex-palmeirense Robinho. Estreante, o meia colocou fogo no jogo e deu uma bela assistência para Arrascaeta igualar o marcador.


Além das quatro rodadas sem vitórias no Brasileiro, o Cruzeiro amarga um jejum contra o América em 2016. Em quatro jogos, foram três empates e uma derrota. Na zona de rebaixamento com apenas dois pontos ganhos, a Raposa volta a campo na quarta-feira, às 21h45, contra o Botafogo, no Mané Garrincha, em Brasília.


O América também ainda não venceu no campeonato e tem os mesmos dois pontos que os rivais celestes. A equipe de Givanildo volta a entrar em ação na quinta-feira, contra a Ponte Preta, no Independência, às 19h30.


O jogo – O Cruzeiro mostrou uma evolução em relação à derrota contra o Santa Cruz no início da partida. A equipe comandada por Paulo Bento marcava bem e trocava passes, no entanto, seguia pecando na hora de concluir as jogadas e mostrava pouca intensidade.


A primeira investida celeste no ataque saiu dos pés do uruguaio Arrascaeta, que recebeu de Sánchez Miño, limpou a marcação e bateu de fora da área por cima do gol. A resposta do América veio no minuto seguinte, com Danilo, que aproveitou sobra de lançamento do goleiro João Ricardo, bateu forte e viu Fábio se esticar todo para defender.


O Cruzeiro continuava melhor em campo apesar da falta de criatividade. Aos 16 minutos, Sánchez Miño aproveitou vacilo do América, roubou a bola na defesa e tocou para Bruno Ramires. O garoto descolou uma grande enfiada de bola para Arrascaeta. Livre e de frente para o goleiro, o uruguaio tentou tocar por cobertura, mas pegou fraco na bola e acabou finalizando sem direção.


A superioridade da Raposa, no entanto, de nada adiantou. Aos 29 minutos, em uma das poucas jogadas do América no ataque, Artur recebeu de Hélder na entrada da área e ajeitou para o atacante Bruno Rangel pegar de primeira e balançar as redes do Cruzeiro, abrindo o placar para o Coelho.


O time celeste sentiu o golpe. Nas arquibancadas, a torcida pedia “raça” e perdia a paciência a cada passe errado da equipe, que teve uma chance de ouro para empatar aos 44 minutos. Gino roubou a bola na ponta direita, cruzou, a bola passou por Cabral e sobrou para Willian, na pequena área, bater. Bem colocado, o goleiro João Ricardo salvou o América e evitou o empate.


“A sorte não está do nosso lado”, resumiu Arrascaeta ao final da primeira etapa. No intervalo, Paulo Bento investiu em Douglas Coutinho no lugar de Gino para dar mais presença de ataque à equipe celeste. Com isso, Bruno Ramires acabou sendo recuado para a lateral.


Mesmo mais ofensivo, o Cruzeiro continuava com pouca criatividade. Aos 12 minutos, Willian recebeu de Ariel Cabral e bateu forte, porém, nas mãos de João Ricardo. A falta de jogadas efetivas de ataque fez Paulo Bento decidir pela entrada de Robinho no lugar de Cabral.


O ex-palmeirense começou bem, chamando a responsabilidade da armação e movimentando o ataque do Cruzeiro. Aos 15 minutos, o meia cruzou para o zagueiro Léo, que tocou de cabeça e a bola bateu no rosto de Suéliton. O time cruzeirense reclamou de um toque de mão do lateral americano.


Com uma produção nula no ataque, o técnico Givanildo decidiu mudar o América, colocando Sávio no lugar do autor do gol Victor Rangel. Entretanto, a mudança pouco surtiu efeito e o Coelho continuava acuado na defesa.


Aos 19 minutos, Robinho descolou mais uma assistência, desta vez para Willian. Dentro da área, o atacante chutou para uma nova defesa de João Ricardo. Foi a última chance do camisa 9 na partida, já que Paulo Bento decidiu trocá-lo por Riascos pouco depois.


A pressão cruzeirense começou a se intensificar. Aos 31 minutos, Riascos teve sua primeira participação na partida, aproveitando cruzamento de Bruno Ramires e tocando de cabeça muito perto do gol de João Ricardo.


Depois de tanto insistir, o Cruzeiro finalmente conseguiu o empate aos 36 minutos. Robinho lançou com precisão na área e Arrascaeta pegou de primeira, no canto direito de João Ricardo.


Dois minutos depois, porém, o torcedor celeste levou um susto. Sávio recebeu livre de marcação, entrou na área e bateu para boa defesa de Fábio.


O jogo acabou ficando mais aberto nos minutos finais. Com os nervos à flor da pele, os técnicos Givanildo e Paulo Bento acabaram se envolvendo em discussão na beira do gramado e foram expulsos. Dentro de campo, a última chance foi do Cruzeiro, com Henrique, aos 50 minutos, mas João Ricardo ficou com a bola e garantiu o empate.


FICHA TÉCNICA


CRUZEIRO 1 X 1 AMÉRICA-MG


Local: Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG)


Data: 28 de maio de 2016, sábado


Horário: 16 horas (de Brasília)


Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)


Assistentes: Celso Luiz da Silva (MG) e Felipe Alan Costa de Oliveira (PR)


Público: 11.266 pagantes


Renda: R$ 283.562,00


Cartões Amarelos: Douglas Coutinho (Cruzeiro) e Leandro Guerreiro (América)


GOLS:


CRUZEIRO: Arrascaeta, aos 36 minutos do segundo tempo


AMÉRICA-MG: Victor Rangel, aos 29 minutos do primeiro tempo;


CRUZEIRO: Fábio; Federico Gino (Douglas Coutinho), Bruno Viana, Léo e Sánchez Miño; Henrique Bruno Ramires, Ariel Cabral (Robinho), Arrascaeta e Élber; Willian (Riascos)


Técnico: Paulo Bento


AMÉRICA-MG: João Ricardo; Hélder (Roger), Artur, Sueliton e Danilo Barcelos; Leandro Guerreiro, Claudinei, Rafael Bastos e Guilherme Xavier; Tiago Luis (Juninho) e Victor Rangel (Sávio)


Técnico: Givanildo Oliveira

Fonte: correio do estado
Data Postagem: 29/05/2016
PUBLICIDADE