Domingo, 23 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Contra Chile, Brasil fecha o ano e tenta apagar vaias no Mineirão

No cenário atual, o jogo parece ter acontecido há uma eternidade para uma seleção que ganhou a Copa das Confederações diante da poderosa Espanha.

O Brasil que começou o ano em baixa e desacreditado encerrará 2013 distribuindo goleadas como favorito à Copa do Mundo. Para a última partida da temporada, poucos adversários seriam mais simbólicos que o Chile. Adversário da seleção nesta terça, em Toronto, às 23h (horário de Brasília), a seleção de Alexis Sanchez, Vargas e Valdivia impôs à atual geração verde-amarela a sua vaia mais significativa, no primeiro semestre, diante de um Mineirão lotado e indignado após um empate por 2 a 2.


No cenário atual, o jogo parece ter acontecido há uma eternidade para uma seleção que ganhou a Copa das Confederações diante da poderosa Espanha e está em uma série de cinco vitórias seguidas, com 18 gols marcados e só um sofrido. Em abril, porém, o cenário era bastante diferente.


A festa marcada para o Mineirão servia para a seleção visitar, pela primeira vez, um membro da nova geração de estádios para 2014. Fora da data Fifa, Luiz Felipe Scolari convocou só jogadores que atuavam no Brasil e viu seus comandados empatarem por 2 a 2, com direito a vaias para todo o time, especialmente Neymar.


O nariz torcido para o atacante, à época ainda no Santos, se devia ao retrospecto ruim da seleção desde 2010. O tabu contra equipes grandes e os fracassos na Copa América e nos Jogos Olímpicos deixavam a atual geração em xeque. A atuação, a vaia, o palco e a proximidade da Copa das Confederações levantaram um enorme ponto de interrogação para a seleção.


O time que encarou o Chile meses atrás é bem diferente do atual, e só dois jogadores estarão nas duas partidas. O problema é que a dupla que estava no empate marcante é justamente a mais importante da seleção, Neymar e Paulinho, principais jogadores, ao lado de Fred, na conquista da Copa das Confederações. A seleção evita, no entanto, dar ao jogo mais importância do que o necessário.

Fonte: Uol
Data Postagem: 19/11/2013
PUBLICIDADE