Segunda-Feira, 24 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Grêmio vence o Cruzeiro e volta a disputar uma grande final após 9 anos

O Grêmio jogou conforme o regulamento e conseguiu vaga para a final da Copa do Brasil. Nesta quarta-feira (2), o time tricolor empatou em 0 a 0 com o Cruzeiro e voltou a uma decisão importante depois de nove anos.


Desde 2007 o Grêmio não atingia uma decisão importante. Esteve em finais de Gauchão, apenas. E poderá romper um jejum de títulos relevantes que dura desde 2001, com a Copa do Brasil. Desde 2010 que nem mesmo Estaduais a equipe vence.


No confronto de ida, a equipe comandada por Renato Gaúcho havia vencido por 2 a 0. Poderia até perder por um gol de diferença que seguiria no torneio. Por isso usou todo expediente possível. Fez cera, recuou suas linhas, saiu no contra-ataque. E conseguiu seu objetivo.


O Grêmio encara o Atlético-MG, que empatou por 2 a 2 com o Internacional e confirmou vaga porque venceu por 2 a 1 o confronto de ida, em Porto Alegre.


A definição de mando de campo sairá em sorteio nesta sexta-feira às 9h (de Brasília), na sede da CBF. Os jogos decisivos serão nos dias 23 e 30 de novembro.


O jogo começou 2 a 0 para o Grêmio. A vitória em Belo Horizonte refletiu-se em campo. Esperando o adversário atrás em campo, o time gaúcho buscou a velocidade de Pedro Rocha para sair em contra-ataques. Não avançou suas linhas, preferiu retomar e rapidamente buscar o gol. Sempre que conseguiu, ganhou minutos preciosos, principalmente com o goleiro Marcelo Grohe.


O Cruzeiro mudou sua forma de jogar em relação ao compromisso de ida. Em vez do centroavante Ramón Ábila ou mesmo de Rafael Sóbis, o homem mais avançado foi William. Com ímpeto de quem precisava do resultado, os mineiros trataram de dominar o jogo e criaram as melhores chances desde o início.


Aos 31 minutos do primeiro tempo, um lance inusitado atrapalhou o Cruzeiro. Pela direita, o time mineiro ganhava a jogada, e a bola sobraria limpa dentro da área. William, de frente para ela, teria condições de chute. Mas foi parado pelo árbitro, que estava na frente dele. Ao se chocar com o juiz, o jogador mineiro olhou reprovando o posicionamento dele e nada pôde fazer.


Com o Cruzeiro precisando de dois gols e o relógio como adversário, o segundo tempo ganhou em emoção. O time mineiro passou a pressionar, Mano Menezes empilhou atacantes, mas as chances mais claras foram o Grêmio. Pedro Rocha quase marcou, Douglas acertou a trave e Everton infernizou a zaga celeste. Em um cruzamento na área, o Cruzeiro protestou pênalti. Em seguida, um lance com Ramiro também virou motivo de reclamações.

Fonte: correio do estado
Data Postagem: 03/11/2016
PUBLICIDADE