Sexta-Feira, 28 de Abril de 2017 | E-mail para contato: contato@nvnoticias.com.br

Mato Grosso do Sul tem saldo negativo de vagas de emprego em novembro

O Mato Grosso do Sul teve redução no número de empregos formais em novembro, apontam dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) anunciados na tarde de ontem (29). No mês, as empresas do estado contrataram 17.830 trabalhadores e dispensaram 19.226, com um saldo negativo de 1.396 postos de trabalho (redução de 0,27% em relação a outubro).


O comércio, com saldo positivo de 230 vagas, construção civil, com 189, e serviços industriais de utilidade pública, com 6, foram os setores que tiveram aumento no estoque de empregos formais em novembro. Perderam vagas os setores de serviço (833), agropecuária (495) e indústria (487).


O levantamento mostra que houve aumento no número de vagas em novembro em três dos 14 municípios do estado com mais de 30 mil habitantes.


Em termos absolutos, Três Lagoas teve o maior saldo de empregos formais no mês (998).


Dados nacionais


O mercado de trabalho perdeu 116.747 vagas com carteira assinada em novembro. O desempenho é resultado de 1.103.767 admissões contra 1.220.514 demissões ocorridas durante o mês. Este saldo negativo em novembro provocou uma queda de 0,3% no estoque de empregos em comparação ao mês anterior. No mesmo mês do ano passado, a queda havia sido ainda maior, com 130.629 vagas formais a menos. No período dos últimos 12 meses, o estoque de empregos formais passou de 40,3 milhões para 38,8 milhões, uma queda de 3,65%.


De todos os setores de atividade econômica, apenas o comércio teve desempenho positivo em novembro, seguindo a tendência já registrada em outubro. Houve um acréscimo de 58.961 vagas, o que representa um aumento de 0,66%. A alta foi puxada principalmente pelo ramo varejista, que abriu 57.528 postos. A maioria dos empregos foi criada nos ramos de vestuário e acessórios, seguidos pelos de supermercados, comércio de calçados e artigos para viagens.


Entre os setores com resultado negativo, destacaram-se a indústria de transformação (-51.859 postos), construção civil (-50.891), serviços (-37.959) e agricultura (-26.097). Na indústria, a queda ocorreu principalmente nos ramos de produtos farmacêuticos (-12.211), alimentícios (-8.442), têxteis (-6.472) e de calçados (-4.033). Já a agricultura foi influenciada por fatores sazonais, com destaque para o setor de cultivo de cana-de-açúcar em São Paulo, que, sozinho, fechou 4.478 postos.

Fonte: dourados news
Data Postagem: 31/12/2016
PUBLICIDADE